Biometria:
Tendência Digital

Há algumas décadas, o uso da biometria era coisa de filmes de ficção científica. No entanto, com o avanço da tecnologia, esse é um recurso cada vez mais presente na vida das pessoas. Tenho certeza que você já utilizou a sua digital para desbloquear seu celular, fazer alguma transação bancária ou para votar nas últimas eleições.

Mas, afinal, o que é a biometria e quais as suas principais tendências? Continue com a gente e fique por dentro deste assunto.

O que é biometria?

Conceitualmente falando, a biometria estuda as várias características físicas e comportamentais dos seres vivos. Ela é utilizada para identificar indivíduos a partir de singularidades específicas.

Bancos, aeroportos, empresas de telefonia, instituições do governo e vários outros setores da sociedade já fazem uso dessa tecnologia com o objetivo de garantir maior segurança aos seus processos.

Porém, o uso da biometria não é algo totalmente novo. Indo até os tempos pré-históricos, o homem já tinha a sensação de que certas características, como o traço de seu dedo, eram suficientes para identificá-lo.

No século II a.C., o imperador chinês Ts’In She já estava autenticando certos selos com uma impressão digital.

No século XIX, Alphonse Bertillon, criminologista francês, deu os primeiros passos no policiamento científico. Ele usou medidas tomadas de certas características anatômicas para identificar criminosos reincidentes, uma técnica que muitas vezes se mostrou bem sucedida, embora sem oferecer qualquer garantia real de confiabilidade.

Esse uso inovador da biometria foi então um tanto esquecido, apenas para ser redescoberto por William James Herschel, um oficial britânico que utilizou a biometria com um propósito totalmente diferente. Tendo sido encarregado de construir estradas em Bengala, ele fez com que seus subcontratantes assinassem contratos com suas impressões digitais. Uma forma inicial de autenticação biométrica e uma maneira segura de ser capaz de encontrá-los mais facilmente.

No Reino Unido, a Polícia Metropolitana iniciou o uso da biometria para identificação em 1901. Nos EUA, foi iniciada pela polícia de Nova York em 1902 e pelo FBI em 1924. A polícia francesa começou a iniciar o mesmo processo no final de 1902.

A medição de padrões únicos, também conhecidos como biometria comportamental, também não é nova. Isso remonta aos anos 1860. Operadores de telégrafo usando código Morse reconheciam um ao outro pela maneira como enviavam sinais de traço e ponto.

Durante a Segunda Guerra Mundial, as forças aliadas utilizaram o mesmo método para identificar os remetentes e as mensagens de autenticação recebidas.

Tendências da biometria

O mercado global de biometria deverá atingir 50 bilhões de dólares até 2024, de acordo com a Global Markets Insights. Somente na América Latina, esse número deve chegar a mais de 15 bilhões de dólares até 2025.

Aplicações biométricas em segurança e setores governamentais da América do Norte estão impulsionando as tendências do mercado. De fato, a América do Norte, com os EUA no comando, representará mais de 30% da participação total da indústria biométrica até 2024.

Diversas plataformas e dispositivos já estão sendo desenvolvidos para fazer a autenticação biométrica e garantir maior segurança na identificação de usuários.

Atualmente, os principais sistemas de leitura biométrica são:

Iris Scan

Por meio de uma luz infravermelha, é feito o escaneamento da íris do olho. Muitos especialistas em biometria acreditam que a varredura da íris é a maneira mais confiável de autenticar a identidade de um usuário.

Fonte: Designed by macrovector / Freepik

Reconhecimento de voz

Aqui é feita a análise da frequência sonora do usuário, considerando os tons agudos e graves. No entanto, é passível de falhas, pois as pessoas podem sofrer mudanças vocais no decorrer da vida.

Fonte: Designed by macrovector / Freepik

Reconhecimento Facial

O reconhecimento facial pode autenticar usuários em caixas eletrônicos, bem como bancos on-line e móveis. Esse tipo de autenticação depende do ambiente do usuário, como a iluminação ou o posicionamento do rosto.

Fonte: Designed by macrovector / Freepik

Impressões digitais

As impressões digitais são atualmente a forma mais popular de autenticação biométrica, usada em muitos dispositivos em todo o mundo. As linhas digitais são captadas por meio de um leitor biométrico e comparadas em um banco de dados.

Fonte: Designed by macrovector / Freepik

Padrão de veia

A autenticação de padrão de veia depende do padrão exclusivo de veias na palma da mão, dedo ou olho para identificar um usuário. Os padrões de veias do usuário são tão exclusivos quanto suas impressões digitais, mas não são tão fáceis de replicar.

As tendências para o uso da biometria são muito positivas. Cada vez mais as empresas estão demonstrando interesse em incorporar essas tecnologia às suas rotinas. O mesmo vale para instituições do governo, que já utilizam a biometria nos setores de saúde, segurança e em processos eleitorais.

Fonte: Designed by macrovector / Freepik

 

Texto por Victor Alves
Imagem:Designed by macrovector / Freepik

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *